quinta-feira, 18 de agosto de 2016

AFIAÇÃO DE FERRAMENTAS - PARTE 1

POR QUE AFIAR?

Todo mundo já esteve numa situação em que foi cortar algo e o corte não foi possível, não foi um bom corte ou foi perfeito.
Excluindo os casos em que tratava-se de falta de habilidade, o que diferenciou um tipo de corte do outro foi a afiação da ferramenta.
Quando uma tesoura dobra o papel, uma talhadeira não corta a pedra e um formão não corta a madeira, na maioria dos casos o problema é a falta de corte.

ÂNGULO DE AFIAÇÃO

Uma dúvida que todos já tiveram alguma vez nesse sentido foi esta: Qual ângulo devo afiar minha faca, meu formão, meu machado?

O que você precisa saber é que quanto maior o ângulo de afiação, mais demora para a ferramenta perder o corte. Em contrapartida, quanto menor o ângulo, mais fácil o corte será executado.

Isto acontece devido algo chamado "campo de estresse". O estresse na lâmina age perpendicularmente à superfície desta.
Quanto mais linhas de estresse estiverem dentro da madeira, mais difícil o corte. Notem que na figura, a de cima é uma apara grossa enquanto a de baixo uma apara fina. A apara fina é mais fácil pois tem menos linhas de estresse para romper.

Temos então uma situação onde temos que decidir o que é melhor para cada situação. Posso usar um ângulo pequeno, mas terei que afiar minha lâmina mais vezes. Por outro lado posso usar um ângulo maior e mais difícil de cortar mas o fio do corte vai durar mais tempo.

Diminuindo o ângulo de afiação na lâmina temos menos linhas de estresse como podem ver abaixo:


Como exemplo temos as facas de cozinha. Como cortam materiais moles, podem ter um ângulo muito baixo, entre 20 e 25 graus, mas perdem o corte facilmente. Agora você sabe porque eles ficam afiando elas toda hora.

Já um formão, com ângulos entre 25 e 35 graus aparam madeiras bem mais duras que alimentos e a perda do corte depende do ângulo em que foi afiado.

COMO AS FIBRAS DAS MADEIRAS SE COMPORTAM

As fibras das madeiras são como tubos muito finos, que é por onde passam os nutrientes e água. Fazendo uma apara perpendicular aos tubos (End Grain), quando a lâmina de um formão encosta nas fibras temos algo como na figura abaixo.
 A fibra se inclina pois está sendo empurrada e a lâmina a corta antes que isso aconteça.

Mas se a lâmina não está afiada, as fibras são amassadas e rompidas deste modo:


COMO FACILITAR O CORTE

Outro modo de facilitar o corte é usar a ferramenta de modo que a lâmina esteja inclinada em relação à direção de corte, ou seja, enviesado (skew).

O método de enviesar a lâmina facilita o corte pois causa uma diminuição ainda maior no ângulo de corte sem que se precise diminuir o ângulo de afiação.


Na figura acima, o formão tem ângulo de afiação de 20° e ao se enviesar a lâmina em 45° o ângulo de ataque resultante tem apenas 14°, deixando o corte muito mais fácil.

Comparando o corte reto com o corte enviesado na figura abaixo, vemos que no corte enviesado o fio da lâmina passa pela fibra ao invés de apenas empurrá-la como no corte reto.

Esta parte fica por aqui pois já ficou longa. Na próxima parte o assunto será cortes paralelos às fibras, situação onde as plainas manuais dominam.

E você? Já teve problemas com má afiação? Tem outra opinião sobre qual o melhor ângulo? Comente e opine aqui embaixo.

Não esqueça de compartilhar se inscrever para ser avisado quando tiver nova postagem.

Até a próxima!

4 comentários:

  1. Boa noite Julio, gostei dessas informações sobre afiação e do teu proposito também. Sou um catador de madeiras nobres deixadas nas ruas, ai transformo em ferramentas no estilo tradicional ou alguma arte utilitária !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fico catando madeiras na rua, quando possível. As pessoas jogam fora camas, móveis e pedaços que pode ser utilizados para muitos trabalhos bons. Com essa cultura de forçar o mdf para os clientes, as madeiras estão sendo deixadas de lado. Mesmo que vc queira comprar madeira boa, terá dificuldade em encontrar para comprar. Soma-se a isso nossas leis que impedem nós, pequenos usuários, a utilizar madeiras de árvores de nossa própria região. Para utilizar árvores caídas ou mortas, a autorização depende da legislação de cada cidade/estado. Lembrando tb que autorizações do Ibama levam meses para sair, se sair, e quando vem a madeira já apodreceu. Deste modo, só nos resta aproveitar os restos já utilizados em outros móveis. Mas não desistimos não é?

      Excluir
  2. Bom dia Zitto, as informações vem de minha experiência e de um livro em inglês chamado "THe complete guide of sharpening". Como nosso país tem deficiência nesse tipo de informações, resolvi repassar o conhecimento para quem não tem acesso ou tem dificuldade com o inglês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só agora que eu vi o teu comentário e gostei muito e agradeço suas postagens em português, vim aqui para procurar um email para mandar as fotos que prometi !!!

      Excluir